Seguidores


Você pode, você deve, você precisa. Afinal de contas, você merece se sentir uma pessoa viva, pois é para isso que estamos aqui: para viver e nos sentirmos vivos!

2


Sinta-se uma pessoa viva!

Ao longo da vida, vamos descobrindo aos poucos, pequenas coisas que nos dão certo prazer – mas, talvez, "prazer" não seja a palavra mais adequada... Afinal, são coisas que, além do prazer, nos fazem sentir que somos uma pessoa viva. Por exemplo: quando alguém atinge alguma conquista – como um carro novo. 

Você já notou como essa pessoa o dirige no primeiro dia com ele nas mãos? É de maneira diferente, curtindo em profundidade aquele momento; um momento que faz com que a pessoa se sinta especial... Um momento que parece fazer com que aquela pessoa fique mais viva do que nunca.

É isso! Parecer uma pessoa mais viva do que nunca, sentir-se uma pessoa viva... Isso só é possível quando encontramos momentos mágicos que podem estar ao nosso alcance. E esses momentos não precisam ser, necessariamente, a aquisição de um desejo material. Pode ser um simples elogio recebido, uma frase dita na hora certa, ou até mesmo a chegada mais rápida do elevador naquele momento em que você estava com muita pressa.

Por isso, preste muita atenção a tudo de bom que acontece com você e festeje, porque aquele é o seu momento especial. E mais: relacione todas as coisas que despertam em você aquela sensação de “me sinto tão bem fazendo isso...” , e depois, faça essas coisas! 

Você pode, você deve, você precisa. Afinal de contas, você merece se sentir uma pessoa viva, pois é para isso que estamos aqui: para viver e nos sentirmos vivos! 

César Romão In "Tudo vai dar certo"

2 Recados:

Friends Forever disse...

Olá Siglea! Desejo um ótimo fina de semana de muita paz!!
Bjs
Amara

KeS e a Arte da Vida disse...

Olá Siglea! Amei sua mensagem, bom final de semana e quando puder vem me fazer uma visitinha...

Sandra
http://kesartesmanuais.blogspot.com.br/

Postar um comentário

Dia 19 de Março - Dia do Artesão

Dia 19 de Março - Dia do Artesão
Minha poesia é inglória, vive em bancas incertas.
Do pódio e das vitórias, traduz histórias discretas.
Nos dizeres, incontida, minha poesia é de lua, às vezes, reza vestida às vezes, discursa nua.
Meu poema é artesanato.
E sai-me pronto das mãos.
Coso-o, com muito cuidado, cirzo-o, sem distração.
Às vezes, vem das sucatas de contas e velhos botões, de renda e fitas baratas, da fieira dos piões.
Que ressona atrás da porta, tem os pêlos de um cão, no final das linhas tortas traz pena, paina, algodão. Tem cores das violetas, pose de pedra-sabão.
Nas asas da borboleta, nem coloca os pés no chão.
O poema-artesanato traz ponto-cruz, bordaduras.
É sempre um simples retrato de uma notória figura. Retirado da net.


São José Carpinteiro.

São José Carpinteiro.