Seguidores


Respiração que alivia angústias.

5

Foto: Getty Images

Foque o pensamento numa palavra, frase, 
imagem ou apenas no ritmo de sua 
respiração
1. Busque um ambiente tranquilo e silencioso, onde não seja interrompida.

2. Sente-se em posição confortável.

3. Foque o pensamento numa palavra, frase, imagem ou apenas no ritmo de sua respiração.

4. Feche os olhos bem de leve, procurando relaxar todos os músculos.

5. Inspire lenta e naturalmente. Ao expirar, lembre a palavra ou concentre-se no foco escolhido no terceiro item desta lista.

6. Caso se distraia ou note pensamentos ocupando a mente, respire fundo e volte a se concentrar.

7. Repita o processo entre cinco e dez minutos, sempre que se sentir estressada ou antes de dormir.

5 Recados:

Mamãe Roberta Soares disse...

Boa dica, vou fazer!
Sou a BU 2382. Já estou te seguindo, me siga de volta. http://matheusmeucoracao.blogspot.com.br

quelsfs disse...

Adorei, bem que to precisando destas dicas, rs...
Desejo uma semana linda e florida de alegrias.
Beij♥

Jacira disse...

Adorei a dica....o segredo e fazer disso um hábito, mesmo com a correria nossa do dia a dia...não ficamos sem tomar banho, sem escovar os dentes, não é? Então o segredo é esse...
Parabéns pelo post.....amei!!
Bjos e ótima semana!!!
www.pontodopontocruz.blogspot.com

Carla Russo disse...

Oi Siglea!
Adorei a dica vou tentar fazer...
Bjss ótima semana!
http://carla-russo.blogspot.com.br/

Damaris fazendo Arte disse...

Oi Siglea, sou a BU 2400, vim te convidar para participar do meu sorteio de aniversário.
Ótima dica, a gente relaxa mesmo.
Boa semana,
Bjs
Damaris

Postar um comentário

Dia 19 de Março - Dia do Artesão

Dia 19 de Março - Dia do Artesão
Minha poesia é inglória, vive em bancas incertas.
Do pódio e das vitórias, traduz histórias discretas.
Nos dizeres, incontida, minha poesia é de lua, às vezes, reza vestida às vezes, discursa nua.
Meu poema é artesanato.
E sai-me pronto das mãos.
Coso-o, com muito cuidado, cirzo-o, sem distração.
Às vezes, vem das sucatas de contas e velhos botões, de renda e fitas baratas, da fieira dos piões.
Que ressona atrás da porta, tem os pêlos de um cão, no final das linhas tortas traz pena, paina, algodão. Tem cores das violetas, pose de pedra-sabão.
Nas asas da borboleta, nem coloca os pés no chão.
O poema-artesanato traz ponto-cruz, bordaduras.
É sempre um simples retrato de uma notória figura. Retirado da net.


São José Carpinteiro.

São José Carpinteiro.