Seguidores


Dias de Chuva.

5
Gosto dos dias de chuva...
Do cheiro da terra
Quando deságuam as primeiras nuvens...
Da dança das goteiras
Quando ultrapassam os beirais da casa.
Gosto das lembranças dos dias de chuva...
De correr de pés descalços na enxurrada,
Fechava os olhos sorrindo quando ouvia os trovões.
Depois, arremessava pedrinhas nas poças d’água
E inventava uma cachoeira...
Gosto dos dias de chuva...
Caindo mansa sobre o telhado
Como quem baila uma canção de amor.


(Sirlei L. Passolongo)

5 Recados:

lilisinha disse...

Olá querida!!!
Também amo essa chuvinha ai que tu descreveu, gosto muito també dos dias frios!
Desejo um final de semana feliz!!!
Bjos Carinhosos!

Belle Gangstøe disse...

Oi anjo!
Q lindo esta o seu blog!
Muito sucesso para vc!
www.bellartatelier.blogspot.com
(Blogueiras Unidas)
Estou seguindo o seu blog.
Beijos

#GRASIELA# disse...

Seu espaço é maravilhoso. Adorei!!!!!
Bjokas!!!

☆ Fernanda Santos ☆ disse...

Oi! amo dia de chuva, só qdo tenho que sair de casa que não curto muito ... srsrs.;.. faz parte! ... lindo seu blog e seguindo ... bjokas*
( blogueiras unidas) www.princesona.blogspot.com

Regina disse...

Olá querida, tudo bem com voce?

Amei de paixão esse blog, as frases as poesias,
tudo muito lindo.

Quanto ao Dias de Chuva, que coisa mais linda,
adorei, pois também adoro a chuva, além de nos
fazer bem, purificando o ar, as plantinhas ficam mais viçosas, etc...

um beijo

Regina Celia

Postar um comentário

Dia 19 de Março - Dia do Artesão

Dia 19 de Março - Dia do Artesão
Minha poesia é inglória, vive em bancas incertas.
Do pódio e das vitórias, traduz histórias discretas.
Nos dizeres, incontida, minha poesia é de lua, às vezes, reza vestida às vezes, discursa nua.
Meu poema é artesanato.
E sai-me pronto das mãos.
Coso-o, com muito cuidado, cirzo-o, sem distração.
Às vezes, vem das sucatas de contas e velhos botões, de renda e fitas baratas, da fieira dos piões.
Que ressona atrás da porta, tem os pêlos de um cão, no final das linhas tortas traz pena, paina, algodão. Tem cores das violetas, pose de pedra-sabão.
Nas asas da borboleta, nem coloca os pés no chão.
O poema-artesanato traz ponto-cruz, bordaduras.
É sempre um simples retrato de uma notória figura. Retirado da net.


São José Carpinteiro.

São José Carpinteiro.