Seguidores


FLORES DE PAPEL - ARRANJO DE MARGARIDAS!

2

Aprenda a fazer MARGARIDAS DE PAPEL
para iluminar sua mesa com um arranjo alegre
ou para surpreender um amigo com um bouquê maravilhoso. E o melhor:
Este artesanato é super barato, e super simples para fazer.
Clique no link e veja o pap e o molde completo deste lindo arranjo de MARGARIDAS.
Aproveite para seguir o blog "Encanto de Blog" da amiga Moren@!

TENHAM UMA SEMANA MUITO PRODUTIVA!
ABRAÇOS!

2 Recados:

kesia disse...

BOM DOMINGO QUERIDA E OTIMO INICIO DE SEMANA!
PARABÉNS PELAS FLORES!

Profª Lourdes disse...


Como é bom ter amigos (as) mesmo que do outro lado da telinha! É assim que te sinto amiga virtual é real. È com carinho que passo mais uma vez no teu cantinho para desejar uma linda tarde de Domingo e que amanhã inicie uma semana abençoada com muita paz, saúde e com muita firmeza para vencer os obstáculos que surgirem na tua vida.
Gosto muito de um pensamento do livro MINUTOS DE SABEDORIA, de C. Torres Pastorino, que diz: TENHA firmeza em suas atitudes e persistência em seu ideal. Mas seja paciente, não pretendendo que tudo lhe chegue de imediato. Há tempo para tudo. E tudo o que é seu virá às suas mãos, no momento oportuno. Saiba esperar o momento exato em que receberá os benefícios que pleiteia. Aguarde com paciência que os frutos amadureçam para que possa apreciar devidamente sua doçura.
Que saibamos ter esta paciência e a coragem de lutar por nossos sonhos. “Os verdadeiros vencedores na vida são pessoas que olham para cada situação com a esperança de poder resolvê-la ou melhorá-la” Barbara Pletcher
Bjuss Fica na paz de Deus. Lourdes Duarte http://professoralourdesduarte.blogspot.com.br/

Lembrando o sorteio, continua, veja link na lateral do blog, faltam menos de 100 seguidores para atingir a meta!! Participem!!


Postar um comentário

Dia 19 de Março - Dia do Artesão

Dia 19 de Março - Dia do Artesão
Minha poesia é inglória, vive em bancas incertas.
Do pódio e das vitórias, traduz histórias discretas.
Nos dizeres, incontida, minha poesia é de lua, às vezes, reza vestida às vezes, discursa nua.
Meu poema é artesanato.
E sai-me pronto das mãos.
Coso-o, com muito cuidado, cirzo-o, sem distração.
Às vezes, vem das sucatas de contas e velhos botões, de renda e fitas baratas, da fieira dos piões.
Que ressona atrás da porta, tem os pêlos de um cão, no final das linhas tortas traz pena, paina, algodão. Tem cores das violetas, pose de pedra-sabão.
Nas asas da borboleta, nem coloca os pés no chão.
O poema-artesanato traz ponto-cruz, bordaduras.
É sempre um simples retrato de uma notória figura. Retirado da net.


São José Carpinteiro.

São José Carpinteiro.