Seguidores


Viver Despenteada

3

Decidi aproveitar a vida com mais intensidade... O mundo é louco, definitivamente louco... O que é bom, engorda. O que é lindo, custa caro. O sol que ilumina o teu rosto, enruga. E o que é realmente bom nesta vida, despenteia...

- Fazer amor - despenteia. - Nadar - despenteia - Pular - despenteia. - Tirar a roupa - despenteia. - Brincar - despenteia. - Dançar - despenteia. - Dormir - despenteia. - Beijar com ardor - despenteia.

É a lei da vida: Vai estar sempre mais despenteada a mulher que decide andar na montanha russa, que aquela que decide não subir.

Por isso, a minha recomendação a todas as mulheres:

Entrega-te, come coisas gostosas, beija, abraça, dança, apaixona-te, relaxa, viaja, salta, dorme tarde, acorda cedo, corre, voa, canta, arranja-te para ficares linda, arranja-te para ficares confortável, admira a paisagem, aproveita, e acima de tudo: Deixa a vida despentear-te!!!! O pior que pode acontecer é que precises de te pentear de novo...


Clique no link e espie mais postagens interessantes!

3 Recados:

NANDOCA disse...

amei seu blog,que delicadesa...estou seguindo ,poderia seguir omeu,bjkas da nandoca

http://brindesedicasdanandoca.blogspot.com

Luciana disse...

Si adorei o post ,a mais pura verdade por mim andaria despenteada cem por cento do meu tempo,mas nem sempre é possível.Nunca perco a chance de subir na montanha russa rsrsrsrs.
Beijos

claudiane salum disse...

siglea querida!
seu cantinho ta cada dia mais lindo e perfumado,da quase pra sentir o cheirinho das margaridas!
bjs e uma semana de paz!

Postar um comentário

Dia 19 de Março - Dia do Artesão

Dia 19 de Março - Dia do Artesão
Minha poesia é inglória, vive em bancas incertas.
Do pódio e das vitórias, traduz histórias discretas.
Nos dizeres, incontida, minha poesia é de lua, às vezes, reza vestida às vezes, discursa nua.
Meu poema é artesanato.
E sai-me pronto das mãos.
Coso-o, com muito cuidado, cirzo-o, sem distração.
Às vezes, vem das sucatas de contas e velhos botões, de renda e fitas baratas, da fieira dos piões.
Que ressona atrás da porta, tem os pêlos de um cão, no final das linhas tortas traz pena, paina, algodão. Tem cores das violetas, pose de pedra-sabão.
Nas asas da borboleta, nem coloca os pés no chão.
O poema-artesanato traz ponto-cruz, bordaduras.
É sempre um simples retrato de uma notória figura. Retirado da net.


São José Carpinteiro.

São José Carpinteiro.