Seguidores


Como Encontrar Paz com Deus

4

Senhor, aqui estou novamente neste momento te pedindo que purifique o meu coração, a minha vida o meu espírito para que eu me torne uma pessoa melhor. Faça-me Senhor, ver o mundo com os olhos cheios de amor. Que eu eu possa no dia de hoje não me aborrecer com nada, deixar de lado as minhas preocupações pois isto não vai melhorar a minha vida. Que eu possa agradecer sempre por todas as bençãos que Tu colocas em minha vida. Que o meu coração sempre haja de forma honesta e que a minha consciência sempre me permita colocar a cabeça no travesseiro e dormir tranquila. Que eu possa no dia de hoje respeitar todos os seres vivos, tratar a todos com carinho, amor e respeito. Que meu coração sempre seja cheio de Amor e bondade. Que meu coração sempre seja cheio de paz... que eu sempre busque Paz na minha vida. Que eu possa ser luz e levar a paz aonde eu for. Ensina-me Senhor,a cada dia ser uma pessoa melhor.

Amém

Clique no link e leia lindas mensagens e dicas de meditação no blog de nossa amiga Rosângela!

4 Recados:

Mimos da Carina disse...

Passei pra te deixar um beijinho e dizer que estou com saudades!!!!

Rô Emerick disse...

Obrigada pelo carinho minha linda!!!
abs...Rô

Vera Madalena disse...

Oi Margarida! Passei para conhecer o teu blog e adorei tuas idéias,tua espiritualidade,é lindo isso!Pretendo te seguir.O meu blog está com poucas postagens estou organizando e logo mostrarei meus trabalhos mas gostaria muito de receber tua visita. Um abraço.

mundinho perfeito disse...

ola faço parte das blogueiras unidas e vim conhecer o seu blog esta tudo muito lindo, parabens, ficarei fliz em receber a sua visita
http://undinhoperfeitodaaline.blogspot.com/

Postar um comentário

Dia 19 de Março - Dia do Artesão

Dia 19 de Março - Dia do Artesão
Minha poesia é inglória, vive em bancas incertas.
Do pódio e das vitórias, traduz histórias discretas.
Nos dizeres, incontida, minha poesia é de lua, às vezes, reza vestida às vezes, discursa nua.
Meu poema é artesanato.
E sai-me pronto das mãos.
Coso-o, com muito cuidado, cirzo-o, sem distração.
Às vezes, vem das sucatas de contas e velhos botões, de renda e fitas baratas, da fieira dos piões.
Que ressona atrás da porta, tem os pêlos de um cão, no final das linhas tortas traz pena, paina, algodão. Tem cores das violetas, pose de pedra-sabão.
Nas asas da borboleta, nem coloca os pés no chão.
O poema-artesanato traz ponto-cruz, bordaduras.
É sempre um simples retrato de uma notória figura. Retirado da net.


São José Carpinteiro.

São José Carpinteiro.