Seguidores


É NATAL DO FILHO DE DEUS...

1

É NATAL DO FILHO DE DEUS


No coração do universo nasce
mais uma vez a esperança de paz,
embalando o sonho de prosperidade
desse novo milênio.
É o Filho de Deus que vem até nós na
ternura de uma criança para realizar o
encontro do céu com a terra, 
para dizer que “somos todos irmãos”!
Ele vem para nos ensinar que é tempo 
de acolher os fracos, os pequeninos, os pobres.....
nos ensinar a plantar na terra a semente da compreensão 
e acender nos corações a centelha do Amor
Ele vem para nos dizer que soou a 
hora de construirmos uma terra de irmãos, 
de eliminar as diferenças, de transpor
os obstáculos que separam os povos e as nações 
para juntos entoarmos a canção de Natal: 

“Paz na terra aos construtores do reino de Deus para toda a humanidade!”

Ele vem para celebrar com as famílias
o verdadeiro Natal de Belém, pleno de 
Luz, de Esperança, de Amor e de Fé.
FELIZ NATAL!

1 Recados:

Profª Lourdes disse...

Querida amiga Siglea, quero desejar um Natal feliz, cheio de muitas alegrias , perfumados pelas mais lindas flores e com os mais perfeitos pensamentos, de uma luz imensa que lhe ilumine os caminhos, e de todos seus familiares e amigos no ano novo que inicia.
Abraços fraterno Lourdes Duarte.

…………(¯`O´¯)
…………*./ | \ .*
…………..*♫*.
………, • '*♥* ' • ,
……. '*• ♫♫♫•*'
….. ' *, • '♫ ' • ,* '
….' * • ♫*♥*♫• * '
… * , • Feliz' • , * '
…* ' •♫♫*♥*♫♫ • ' * '
' ' • . Natal e um ano novo
De muita prosperidade. • ' ' '
' ' • ♫♫♫*♥*♫♫♫• * ' '
…………..x♥x

Postar um comentário

Dia 19 de Março - Dia do Artesão

Dia 19 de Março - Dia do Artesão
Minha poesia é inglória, vive em bancas incertas.
Do pódio e das vitórias, traduz histórias discretas.
Nos dizeres, incontida, minha poesia é de lua, às vezes, reza vestida às vezes, discursa nua.
Meu poema é artesanato.
E sai-me pronto das mãos.
Coso-o, com muito cuidado, cirzo-o, sem distração.
Às vezes, vem das sucatas de contas e velhos botões, de renda e fitas baratas, da fieira dos piões.
Que ressona atrás da porta, tem os pêlos de um cão, no final das linhas tortas traz pena, paina, algodão. Tem cores das violetas, pose de pedra-sabão.
Nas asas da borboleta, nem coloca os pés no chão.
O poema-artesanato traz ponto-cruz, bordaduras.
É sempre um simples retrato de uma notória figura. Retirado da net.


São José Carpinteiro.

São José Carpinteiro.