Seguidores


Telha de vidro!!!

3
Nem sempre a vida segue o curso que se deseja, que se espera. Assim foi com Rachel.Depois da morte de seus pais, ela, ainda bem moça, deixou a cidade em que nascera para morar na fazenda, com os tios que mal conhecia.Moraria na casa que havia sido construída por seu bisavô, há muito tempo. Era uma casa muito antiga e a maior parte dos móveis eram peças pesadas e escuras que ali estavam há mais tempo do que as pessoas saberiam dizer.Seus tios eram pessoas simples, acostumados com a vida que sempre viveram, desconfiados com tudo que pudesse alterar a rotina que lhes dava segurança.A chegada de Rachel representou para eles um certo transtorno.Onde ficaria instalada a menina?Como não havia um cômodo mais apropriado, deram-lhe um quarto pequeno, que ficava no sótão.Nem o tamanho reduzido, nem o cheiro de mofo incomodaram Rachel.O que lhe entristecia naquele quartinho abafado era apenas o fato de não ter janelas.Não se podia ver o sol, nem o céu, nem as árvores do quintal ou as flores do jardim.A luz limitava-se a entrar timidamente pela porta. A falta de claridade naquele quartinho parecia encher ainda mais de tristeza o coração dolorido da moça.Até que um dia, depois de muito ter chorado em silêncio, Rachel, decidida a voltar a sorrir, pediu que lhe trouxessem da cidade uma telha de vidro.Um pouco desconfiados, seus tios acabaram cedendo. Daí, um milagre aconteceu.Mesmo sem janelas o quarto de Rachel, antes tão sombrio, passou a ser a peça mais alegre da fazenda.Tão claro que, ao meio-dia, aparecia uma renda de arabesco de sol nos ladrilhos vermelhos que, só a partir de então, conheceram a luz do dia.
A lua branda e fria também se mostrava, às vezes, pelo clarão da telha milagrosa. E algumas estrelas audaciosas arriscaram surgir no espelho onde a moça se penteava.O quartinho que era feio e sem vida, fazendo os dias de Rachel cinzentos, frios, sem luar e sem clarão, agora estava tão diferente...Passou a ser cheio de claridade, luzes e brilho. Rachel voltou a sorrir.Toda essa mudança só porque um dia ela, insatisfeita com a própria tristeza, decidiu colocar uma telha de vidro no telhado daquela casa antiga, trazendo para dentro da sua vida a luz e a alegria que faltavam.* * *Muitas vezes, presos a hábitos antigos e em situações consolidadas, deixamos de lado verdades que nos fazem felizes.Deixamos que a ausência de janelas em nossa vida escureça nossas perspectivas, enchendo de sombras o nosso sorriso e o nosso cotidiano.Vamos nos acomodando, aceitando estruturas que sempre foram assim e que ninguém pensou em alterar, ou que não se atreveu a tanto.Mudanças e reformas são necessárias e sadias.Nem todas dão certo ou surtem o efeito que desejaríamos, porém, cabe-nos avaliar a realidade em que nos encontramos e traçar metas para buscar as melhorias pretendidas.Não podemos esquecer, porém, que em busca de nossos sonhos de felicidade não devemos simplesmente passar por cima do direito dos outros.Nesse particular, cabe-nos lembrar a orientação sempre segura de Jesus, que devemos fazer aos outros aquilo que gostaríamos que nos fizessem.
UMA SEMANA VITORIOSA PRA TODAS!
Beijocas!

3 Recados:

Paulinha Mattos disse...

Olá flor passando pra conhecer seu blog meu parabéns muito sucesso , e adorei tudo, vc esta de parabéns estou seguindo vou adora ter vc no meu blog beijos flor..
"Blogueiras unidas"1000
http://paulinhamattosdesigners.blogspot.com

♥Mamãe Arteira♥ disse...

Lindo, lindo, lindo!!!
Vamos colocar em prática já.
Obrigada em compartilhar conosco tão bela história.
Desejo-lhe uma semana abençoada cheia de Paz, Saúde, Criatividade e muitas Realizaçõe$$$.
Um grande abraço.

amandaquino disse...

Oiii bom dia flor !!! To visitando todas os blogs do blogueiras unidas e seguindo, e ameeei de verdade o seu cantinho :) aguardo voce no meu cantinho e é claro já estou seguindo http://amandaquino.blogspot.com/

beijos

Postar um comentário

Dia 19 de Março - Dia do Artesão

Dia 19 de Março - Dia do Artesão
Minha poesia é inglória, vive em bancas incertas.
Do pódio e das vitórias, traduz histórias discretas.
Nos dizeres, incontida, minha poesia é de lua, às vezes, reza vestida às vezes, discursa nua.
Meu poema é artesanato.
E sai-me pronto das mãos.
Coso-o, com muito cuidado, cirzo-o, sem distração.
Às vezes, vem das sucatas de contas e velhos botões, de renda e fitas baratas, da fieira dos piões.
Que ressona atrás da porta, tem os pêlos de um cão, no final das linhas tortas traz pena, paina, algodão. Tem cores das violetas, pose de pedra-sabão.
Nas asas da borboleta, nem coloca os pés no chão.
O poema-artesanato traz ponto-cruz, bordaduras.
É sempre um simples retrato de uma notória figura. Retirado da net.


São José Carpinteiro.

São José Carpinteiro.