Seguidores


Avance sempre!!!

3
Na vida as coisas, às vezes, andam muito devagar. Mas é importante não
parar. Mesmo um pequeno avanço na direção certa já é um progresso, e
qualquer um pode fazer um pequeno progresso.

Se você não conseguir fazer uma coisa grandiosa hoje, faça alguma coisa
pequena.
Pequenos riachos acabam convertendo-se em grandes rios.

Continue andando e fazendo.

O que parecia fora de alcance esta manhã vai parecer um pouco mais
próximo amanhã ao anoitecer se você continuar movendo-se para frente.

A cada momento intenso e apaixonado que você dedica a seu objetivo, um
pouquinho mais você se aproxima dele.

Se você pára completamente é muito mais difícil começar tudo de novo.

Então continue andando e fazendo. Não desperdice a base que você já
construiu. Existe alguma coisa que você pode fazer agora mesmo, hoje,
neste exato instante.

Pode não ser muito mas vai mantê-lo no jogo.

Vá rápido quando puder. Vá devagar quando for obrigado.
Mas, seja, lá o que for, continue. O importante é não parar!!!

Nunca pare!

3 Recados:

Dária disse...

Adorei o seu blog. Visite o meu artesanatofofo.blogspot.com TEM VÁRIOS TIPOS DE ARTESANATO E TODOS COM PASSO A PASSO.Beijos.

Stephânia disse...

Oi Siglea, td bem! to caminhando para alcançar meus objetivos...perfeito texto, me fez refletir com certeza. Bom fim de semana, Bjus. Sou blogueira unida 999.
http://fuloarteira.blogspot.com

Sam Melo disse...

Oiee! Faço parte do Blogueiras Unidas, vim visitar o seu cantinho e já estou te seguindo.
Espero sua visita lá no meu cantinho também... Vc será muito bem vinda(o)!
http://www.sammelodesigns.com/

Postar um comentário

Dia 19 de Março - Dia do Artesão

Dia 19 de Março - Dia do Artesão
Minha poesia é inglória, vive em bancas incertas.
Do pódio e das vitórias, traduz histórias discretas.
Nos dizeres, incontida, minha poesia é de lua, às vezes, reza vestida às vezes, discursa nua.
Meu poema é artesanato.
E sai-me pronto das mãos.
Coso-o, com muito cuidado, cirzo-o, sem distração.
Às vezes, vem das sucatas de contas e velhos botões, de renda e fitas baratas, da fieira dos piões.
Que ressona atrás da porta, tem os pêlos de um cão, no final das linhas tortas traz pena, paina, algodão. Tem cores das violetas, pose de pedra-sabão.
Nas asas da borboleta, nem coloca os pés no chão.
O poema-artesanato traz ponto-cruz, bordaduras.
É sempre um simples retrato de uma notória figura. Retirado da net.


São José Carpinteiro.

São José Carpinteiro.