Seguidores


Linda postagem feita pela amiga blogueira "My Belle Essence". - Blogueiras Unidas na Luta Contra o Cancer e Colo de Útero.

3





Minhas flores,
Quero dedicar este post a todas as mulheres que estão enfrentando a luta contra o câncer,
em especial o câncer de mama e colo do útero,
aproveitando que estamos com a maravilhosa Campanha OUTUBRO ROSA.
Venho trazer para vc um lindo gif da campanha, um selinho fofo e um versículo biblico, para fazermos ao final uma pequena oração por todas estas mulhes guerreiras, vitóriosas, amadas e abençoadas:

Salmos 10:14 - "Mas tu enxergas o sofrimento e a dor; observa-os para tomá-los em tuas mãos.
A vítima entrega-se a ti; tu és o protetor do órfão".

Aquelas que estão na batalha contra o câncer devem manter sua fé em Deus,
confiando que ele vê, se preocupa, e enviará socorro na hora certa.
Nós que não estamos nessa lista, precisamos pedir libertação e bênção
para aquelas que estão encarando dificuldades e sofrimentos.

OREMOS:
Deus Poderoso e Eterno,
abençoe aquelas mulheres que estão em tempos de verdadeiro sofrimento e angústia.
Que elas, cheias do Espírito Santo, possam ter a força e a coragem
necessárias para perseverar.
Abençoe-as com libertação que claramente vem do Senhor,
para que todas reconheçam sua graça e dêem glória ao Seu Nome.
É o que te pedimos em nome de Jesus.
Amém.


Amadas, só em vocês terem feito esta oração comigo... já tá valendo!!!

Se gostarem levem também o gif ou o selinho para colocarem em seus blogs,
assim poderemos lembrar a todas as nossas leitoras,

visitante e seguidoras que estamos juntas
nesta batalha contra o câncer!


Linda postagem feita pela amiga blogueira "My Belle Essence". - Blogueiras Unidas na Luta Contra o Cancer e Colo de Útero.
Clique no link, faça uma visita e deixe um comentário carinhoso de retribuição por esta postagem.



Telha de vidro!!!

3
Nem sempre a vida segue o curso que se deseja, que se espera. Assim foi com Rachel.Depois da morte de seus pais, ela, ainda bem moça, deixou a cidade em que nascera para morar na fazenda, com os tios que mal conhecia.Moraria na casa que havia sido construída por seu bisavô, há muito tempo. Era uma casa muito antiga e a maior parte dos móveis eram peças pesadas e escuras que ali estavam há mais tempo do que as pessoas saberiam dizer.Seus tios eram pessoas simples, acostumados com a vida que sempre viveram, desconfiados com tudo que pudesse alterar a rotina que lhes dava segurança.A chegada de Rachel representou para eles um certo transtorno.Onde ficaria instalada a menina?Como não havia um cômodo mais apropriado, deram-lhe um quarto pequeno, que ficava no sótão.Nem o tamanho reduzido, nem o cheiro de mofo incomodaram Rachel.O que lhe entristecia naquele quartinho abafado era apenas o fato de não ter janelas.Não se podia ver o sol, nem o céu, nem as árvores do quintal ou as flores do jardim.A luz limitava-se a entrar timidamente pela porta. A falta de claridade naquele quartinho parecia encher ainda mais de tristeza o coração dolorido da moça.Até que um dia, depois de muito ter chorado em silêncio, Rachel, decidida a voltar a sorrir, pediu que lhe trouxessem da cidade uma telha de vidro.Um pouco desconfiados, seus tios acabaram cedendo. Daí, um milagre aconteceu.Mesmo sem janelas o quarto de Rachel, antes tão sombrio, passou a ser a peça mais alegre da fazenda.Tão claro que, ao meio-dia, aparecia uma renda de arabesco de sol nos ladrilhos vermelhos que, só a partir de então, conheceram a luz do dia.
A lua branda e fria também se mostrava, às vezes, pelo clarão da telha milagrosa. E algumas estrelas audaciosas arriscaram surgir no espelho onde a moça se penteava.O quartinho que era feio e sem vida, fazendo os dias de Rachel cinzentos, frios, sem luar e sem clarão, agora estava tão diferente...Passou a ser cheio de claridade, luzes e brilho. Rachel voltou a sorrir.Toda essa mudança só porque um dia ela, insatisfeita com a própria tristeza, decidiu colocar uma telha de vidro no telhado daquela casa antiga, trazendo para dentro da sua vida a luz e a alegria que faltavam.* * *Muitas vezes, presos a hábitos antigos e em situações consolidadas, deixamos de lado verdades que nos fazem felizes.Deixamos que a ausência de janelas em nossa vida escureça nossas perspectivas, enchendo de sombras o nosso sorriso e o nosso cotidiano.Vamos nos acomodando, aceitando estruturas que sempre foram assim e que ninguém pensou em alterar, ou que não se atreveu a tanto.Mudanças e reformas são necessárias e sadias.Nem todas dão certo ou surtem o efeito que desejaríamos, porém, cabe-nos avaliar a realidade em que nos encontramos e traçar metas para buscar as melhorias pretendidas.Não podemos esquecer, porém, que em busca de nossos sonhos de felicidade não devemos simplesmente passar por cima do direito dos outros.Nesse particular, cabe-nos lembrar a orientação sempre segura de Jesus, que devemos fazer aos outros aquilo que gostaríamos que nos fizessem.
UMA SEMANA VITORIOSA PRA TODAS!
Beijocas!

Mulher!

1
Mulher!
Vou fazer para você.
Uns versos de A a Z!
A=Anna..doce e Meiga Senhorita,
B=Bruna--- de vc é Mais Bonita.
C=Conceição e seu grande coração.
D=Dorothy e sua Imaginação..
E=Elizabeth prefere a Fantasia.
F=Da Francine pego a Alegria.
G=Gema que não é do ovo
H=Helô é o NOVO,No Todo!
I=Ivone amiga de Escola
J=Júlia, Amiga de Agora!
L=Lívia e Lilian... Ímpar, Singular,tem Lugar.
M=Maria,minha Maria,nem poderia aqui FaLtar.
N=Nanda recordo de alguém
O=Odila Mãe de Meu Bem.
P=Patrícia da Pátria Mãe GentiL.
Q=Quênia..Conheci ao acaso,neste Brasil.
R=Rosana grande amiga de Donana
S=Sueli hoje eu Canto prá Ti.
T=Teresinha das Flores e da Magia.
U=Urlenize-- Passoinha q contagia!
V=Valderês É a prima da VEZ!
X=Xana,Fulana de nome diferente,presente.
Z=Zolair para atender minha Mãe=Anair!
y=Yeda Cedezete da nossa cApital,Saudade sem IguaL
K=Muitas Kellis=Catitas=Benditas entre Tantas.
Mulher, Mulher.
Num Lugar QuaLquer!
Para o q Der e Vier!

Ana Piaia SotiLLe

A força de dentro é maior.

11

Hoje é meu aniversário. Estou muito feliz com todos os recados recebidos em minha comunidade, blogs, facebook e ORKUT.

15


Para ter sido perfeito o meu dia eu deveria ter seguido a risca esta mensagem!


Dia de Faxina.

Estava precisando fazer uma faxina em mim... Jogar alguns pensamentos indesejados para fora, lavar alguns tesouros que andavam meio enferrujados...

Tirei do fundo das gavetas lembranças que não uso e não quero mais.

Joguei fora alguns sonhos, algumas ilusões...

Papéis de presente que nunca usei, sorrisos que nunca darei; Joguei fora a raiva e o rancor das flores murchas que estavam dentro de um livro que não li. Olhei para meus sorrisos futuros e minhas alegrias pretendidas... E as coloquei num cantinho, bem arrumadas.

Fiquei sem paciência!... Tirei tudo de dentro do armário e fui jogando no chão: Paixões escondidas, desejos reprimidos, palavras horríveis que nunca queria ter dito, mágoas de um amigo, lembranças de um dia triste... Mas lá também havia outras coisas... e belas!

Um passarinho cantando na minha janela... Aquela lua cor-de-prata, o pôr do sol!... Fui me encantando e me distraindo, olhando para cada uma daquelas lembranças. Sentei no chão, para poder fazer minhas escolhas.

Joguei direto no saco de lixo os restos de um amor que me magoou. Peguei as palavras de raiva e de dor que estavam na prateleira de cima, pois quase não as uso, e também joguei fora no mesmo instante!

Outras coisas que ainda me magoam, coloquei num canto para depois ver o que farei com elas, se as esqueço lá mesmo ou se mando para o lixão.

Aí, fui naquele cantinho, naquela gaveta que a gente guarda tudo o que é mais importante: o amor, a alegria, os sorrisos, um dedinho de fé para os momentos que mais precisamos...

Como foi bom relembrar tudo aquilo!

Recolhi com carinho o amor encontrado, dobrei direitinho os desejos, coloquei perfume na esperança, passei um paninho na prateleira das minhas metas, deixei-as à mostra, para não perdê-las de vista.

Coloquei nas prateleiras de baixo algumas lembranças da infância, na gaveta de cima as da minha juventude e, pendurada bem à minha frente, coloquei a minha capacidade de amar... e de recomeçar...

Carlos Fávaro Fanta


Retirei esta mensagem do blog de minha amiga Zilda Santiago que por sua vez retirou do blog de Margarida e Violeta.
Clique no link e visite nossa querida amiga "Blogueira Unida", Zilda!
Ela vai amar sua visita, com certeza!
http://zildasantiago.blogspot.com/


O selinho recebi da querida amiga "Blogueira Unida", Fabíola.

Clique no link e faça uma visita!



Lembre!

Gentileza, Gera Gentileza!

Parabéns a todos educadores nesse dia especial!

4

"Ensinar é um exercício de imortalidade.
De alguma forma continuamos a viver naqueles
olhos que aprenderam a ver o mundo pela
magia da nossa palavra."

*RUBEM ALVES*

Parabéns a todos educadores nesse dia especial!


Turma: 53 - Sou conselheira com muito orgulho!

ANTES QUE ELES CRESÇAM

4





Há um período em que os pais vão ficando órfãos dos próprios filhos. É que as crianças crescem. Independentes de nós, como árvores tagarelas e pássaros estabanados, elas crescem sem pedir licença. Crescem como a inflação, independente do governo e da vontade popular, entre os estupros dos preços, os disparos dos discursos e o assalto das estações. Crescem com uma estridência alegre e, às vezes, com alardeada arrogância. Mas, não crescem todos os dias, de igual maneira, crescem, de repente. Um dia sentam-se perto de você no terraço e dizem uma frase com tal maturidade, que você sente que não pode mais trocar as fraldas daquela criatura.

Onde é que andou crescendo aquela danadinha, que você não percebeu? Cadê aquele cheirinho de leite sobre a pele? Cadê a pazinha de brincar na areia, as festinhas de aniversário com palhaços, amiguinhos e o primeiro uniforme do maternal?

A criança está crescendo num ritual de obediência orgânica, desobediência civil. E você agora está ali, na porta da discoteca, esperando que ela não apenas cresça, mas apareça. Ali estão muitos pais ao volante, esperando que saiam esfuziantes sobre patins, cabelos soltos. Entre hamburgueres e refrigerantes nas esquinas, lá estão nossos filhos com o uniforme de sua geração: incômodas mochilas da moda, nos ombros nus, ou então com a blusa amarrada na cintura. Está quente, achamos que vão estragar a blusa, mas não tem jeito, é o emblema da geração. Pois ali estamos, com os cabelos já embranquecidos. Esses são os filhos que conseguimos gerar apesar dos golpes dos ventos, das colheitas das notícias e da ditadura das horas. E eles crescem meio amestrados, observando nossos muitos erros.

Há um período em que os pais vão ficando órfãos dos próprios filhos. Não mais os colheremos nas portas das discotecas e festas, quando surgirem entre gírias e canções. Passou o tempo do balé, do inglês, da natação, do judô. Saíram do banco de trás e passaram para o volante das próprias vidas.

Deveríamos ter ido mais à cama deles ao anoitecer para ouvirmos sua alma respirando conversas e confidências entre os lençóis da infância e da adolescência, cobertos naquele quarto cheio de adesivos, pôsteres, agendas coloridas e discos ensurdecedores. Não, não os levamos suficientes vezes ao maldito Play Center, ao Shopping, não lhes compramos todos os sorvetes e roupas merecidas.

Eles cresceram sem que esgotássemos neles todo nosso afeto. No princípio subiam a serra ou iam à casa de praia entre embrulhos, bolachas, engarrafamentos, natais, páscoas, piscinas e amiguinhos. Sim, havia as brigas dentro do carro, disputa pela janela, pedido de chicletes e sanduíches, cantorias infantis. Depois chegou a idade em que viajar com os pais começou a ser um esforço, um sofrimento, pois era impossível largar a turma e os primeiros namorados.

Os pais ficaram então exilados dos filhos. Tinham a solidão que sempre desejaram, mas não de repente, morriam de saudades daquelas pestes. O jeito é esperar. Qualquer hora podem nos dar netos. O neto é a hora do carinho ocioso e estocado não exercido nos próprios filhos e que não pode morrer conosco. Por isso os avós são tão desmesurados e distribuem tão incontrolável afeição. Os netos são a última oportunidade de reeditar nosso afeto.

Texto de Affonso Romano de Sant'Anna.

Feliz Dia das Crianças!

2
Vivemos uma realidade tão dura que, às vezes, queremos voltar à infância,à época de fantasias,convivência com os pais,tendo nosso próprio mundo,sem as múltiplas preocupações,tantas decepções e as constantes pressões...

Mas nem todos tiveram um lar,ou não foram felizes na infância,e nem essa volta é possível.Mas ser adulto também não é sinônimo de carrancudo e só pensar na dura realidade.Jesus disse que precisávamos nos tornar como crianças para herdar o Reino dos céus...

Viva o momento presente da vida,mas não mate o espírito de criança que um dia houve em você.Cultive a simplicidade,o mundo de sonhos a alegria, o amor à natureza e a confiança em Deus.Com toda a certeza sua vida terá mais sentido e muito mais beleza...

"É o bem que se faz...que nos faz bem."

2
Tenham todas uma semana abençoada!

Lembrem de espiar nosso novo blog dedicado especialmente a nossa

Lista de Divulgação "Blogueiras Unidas".


Beijocas!

NÂO TEMAS PORQUE EU SOU CONTIGO.

5
Tenham todas uma quinta-feira abençoada!


Algo para nunca esquecer!

5


Dia 19 de Março - Dia do Artesão

Dia 19 de Março - Dia do Artesão
Minha poesia é inglória, vive em bancas incertas.
Do pódio e das vitórias, traduz histórias discretas.
Nos dizeres, incontida, minha poesia é de lua, às vezes, reza vestida às vezes, discursa nua.
Meu poema é artesanato.
E sai-me pronto das mãos.
Coso-o, com muito cuidado, cirzo-o, sem distração.
Às vezes, vem das sucatas de contas e velhos botões, de renda e fitas baratas, da fieira dos piões.
Que ressona atrás da porta, tem os pêlos de um cão, no final das linhas tortas traz pena, paina, algodão. Tem cores das violetas, pose de pedra-sabão.
Nas asas da borboleta, nem coloca os pés no chão.
O poema-artesanato traz ponto-cruz, bordaduras.
É sempre um simples retrato de uma notória figura. Retirado da net.


São José Carpinteiro.

São José Carpinteiro.